(24) 24424213 ou 24422840, Rua José Alves Pimenta, 890 Matadouro, Barra do Piraí, RJ    

27/07/2018

Dignidade humana

Todos os direitos humanos são, basicamente, o direito de ser humano, e assim desfrutar a dignidade de ter sido criado à imagem de Deus e de possuir, em consequência, relacionamentos sem paralelo com o próprio Deus, com os outros seres humanos e com o mundo material. 

A dignidade dos seres humanos é afirmada em três sentenças sucessivas em Gênesis 1.27-28. Em primeiro lugar, “criou Deus o homem à sua [própria] imagem”. Em segundo, “homem e mulher os criou”. Em terceiro lugar, “Deus os abençoou, e lhes disse: Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e  subjuguem a terra!”. A dignidade humana é vista aqui como consistindo de três relacionamentos singulares que Deus estabeleceu para nós pela criação, os quais, juntos, constituem grande parte da nossa humanidade e que foram distorcidos pela Queda, mas não destruídos.

O primeiro é o nosso relacionamento com Deus. Os seres humanos são seres semelhantes a Deus, criados pela vontade de Deus à sua imagem. A imagem divina inclui aquelas qualidades racionais, morais e espirituais que expressam algo de quem Deus é. Em consequência, podemos aprender a seu respeito com os evangelistas ou professores (ouvir o evangelho é um direito humano básico); vir a conhecê-lo, amá-lo e servi-lo; viver em consciente e humilde dependência dele; compreender a sua vontade e obedecer aos seus mandamentos. Assim, então, todos aqueles direitos humanos que nós chamamos de liberdade para professar, praticar e propagar a religião, a liberdade de cultuar, de consciência, de pensamento e de expressão, vêm sob essa primeira classificação do nosso relacionamento com Deus. É surpreendente que até mesmo os líderes deístas das revoluções norte-americana e francesa sabiam disso instintivamente. Como vimos anteriormente, a Declaração Americana de Independência (1776) proclamou notadamente: “Consideramos que essas verdades são auto evidentes: que todos os homens são criados iguais, que eles são dotados, pelo seu Criador, com certos direitos inalienáveis, que entre estes estão a vida, a liberdade e a busca da felicidade”.1

A segunda capacidade singular dos seres humanos diz respeito aos nossos relacionamentos mútuos. O Deus que fez a raça humana é, ele mesmo, um ser social, um Deus que consiste de três modos de personalidade eternamente distintos. Ele disse: “Façamos o homem à nossa imagem”, e “Não é bom que o homem esteja só”. Assim, Deus fez o homem e a mulher e disse a eles que procriassem. A sexualidade é criação dele; o casamento, a sua instituição, e o companheirismo humano, seu propósito. Desse modo, então, todas aquelas liberdades humanas que chamamos santidade do sexo, do casamento e da família, o direito de reunião pacífica e o direito de receber respeito, seja qual for nossa idade, sexo, raça ou posição, ficam sob essa segunda classificação do nosso relacionamento mútuo.

Nossa terceira qualidade distintiva como seres humanos é o nosso relacionamento com a terra e com suas criaturas. Deus nos deu o domínio, com instruções para subjugar e cultivar a frutífera terra e dominar suas criaturas. Assim então, todos aqueles direitos humanos que denominamos direito ao trabalho e direito ao descanso, o direito de compartilhar dos recursos da terra, o direito ao alimento, vestuário e abrigo, o direito à vida, à saúde e à sua preservação, juntamente com a libertação da pobreza, da fome e das doenças, vêm sob essa terceira classificação do nosso relacionamento com a terra.

Apesar da simplificação exagerada, podemos resumir o que significa dignidade humana destas três maneiras: nosso relacionamento com Deus (ou o direito e a responsabilidade de adorá-lo), nosso relacionamento mútuo (ou o direito e a responsabilidade de sermos solidários) e nosso relacionamento com a terra (ou o direito e a responsabilidade de administrá-la) – juntamente, é claro, com a oportunidade que a nossa educação, nossa renda e nossa saúde nos fornecem para desenvolver esse potencial humano singular.

Assim, todos os direitos humanos são, basicamente, o direito de ser humano, e assim desfrutar a dignidade de ter sido criado à imagem de Deus e de possuir, em consequência, relacionamentos sem paralelo com o próprio Deus, com os outros seres humanos e com o mundo material.

Nota

1. www.constitution.org/usdeclar.htm 

Por John Stott
Publicado por Ultimatoonline

Outros Links